Início Política Direito de Resposta

Direito de Resposta

por Redação

À direcção editorial do Jornal 24 Horas. Foi constatado em uma publicação no Jornal 24 Horas de um texto com o título “Apreensão de Embarcação ucraniana – Edeltrudes Costa apontado como mandatário do mega-roubo pesqueiro em Angola”. Servimo-nos deste comunicado para fazer valer o nosso direito à resposta. Após, infelizmente, a leitura da publicação com o título acima referenciado, a Direcção da nossa empresa, MADLE & CRUZ, manifestou indignação e nega veemente as acusações gratuitas que constam do texto de vossa autoria. Em tempos de quarentena, o objectivo de certos colunistas tem sido apavorar os angolanos, mesmo que isto implique ferir o bom nome de outrem. As acusações de que se fala são absolutamente falsas, desprovidas de substância legal para serem mantidas e tidas em conta. Não há provas que associem Edeltrudes Maurício Fernandes Gaspar da Costa a esse processo. Não é difícil perceber a intenção do autor, tendo em conta a incongruência do enunciado. Viemos, pelo mesmo turno, esclarecer que o Sr. Edelturdes da Costa não tem ligação de negócios com o Sr. Frederico Cardoso nem com qualquer outro nome citado no texto. Queremos referir também que Edelturdes da Costa não faz parte da estrutura acionista da nossa instituição, conforme foi referenciado no vosso texto, e, finalmente, a embarcação apreendida em Benguela não é da empresa MADLE & CRUZ. Por ser falsa e caluniosa esta informação, somos compelidos a responsabilizar criminalmente os autores da ‘Fake News”, principalmente por macular o bom nome de um inocente. Luanda, 10 de Julho de 2020 Osvaldo Salvador da Cruz.

Nota da direção do Jornal 24 Horas

O rigor e assertividade, com o apuramento e cruzamento de informações, são regras elementares para que uma determinada notícia, produzida no âmbito do interesse público, não redunde em inverdades, que, lamentavelmente, manche o bom-nome das instituições pública, privadas e pessoas singulares.

É primado neste jornal, como projecto editorial que faz parte do processo de fortalecimento de Estado de Democrático e de Direito, agir sempre dentro dos marcos dos cânones da profissão e nunca imbuídos do espírito de má-fé e perseguição a determinadas entidades. Objectivo é único: informar com verdade.

Mas no caso em apreço, depois de consultado e cruzado todas as informações disponíveis, somos a reconhecer, penhoradamente, a nossa imprudência quanto a não observância do rigor e assertividade na produção da notícia, que deu origem ao vosso direito de resposta.

Em nome de um jornalismo comprometido apenas com a veracidade dos factos, somos, como pessoas falíveis, penitenciarmos pelos transtornos causados.

Direcção do Jornal 24 Horas

Poderá também achar interessante