Início Sociedade Segundo líder da IJCSK: “Paul Kisolokela é um impostor que usa identidade falsa”

Segundo líder da IJCSK: “Paul Kisolokela é um impostor que usa identidade falsa”

por Redação

A Igreja de Jesus Cristo Sobre a Terra “Simão Kimbango” (IJCSK), tem uma nova liderança chefiada pelo reverendo Daniel da Silva, que vem a Angola pela segunda vez por merecer  a confiança dos representantes legais da referida agremiação religiosa

Victor Kavinda

O reverendo Daniel Sebastião da Silva disse ao jornal 24 Horas que é a segunda vez que fica na liderança da igreja (IJCSK) em Angola, porque traz consigo na sua bagagem a paz e a reconciliação naquilo que o seu líder mundial tem apelado a todos os kimbanguistas e não só,  dentre eles o amor e trabalho nos mandamentos deixados pelo fundador da igreja.

O representante legal, Daniel da Silva, disse que A igreja Kimbanguista tem realizado actividades sociais nas 18 províncias de Angola nos ramos da educação, saúde, agricultura, apicultura, criação de gado de todas as espécies e não só.  “São tantos os projectos que a IJCSK tem levado a cabo para ajudar o Estado angolano na diversificação da economia”. 

Por outro lado, o reverendo Daniel Silva disse que algumas actividades sociais já tiveram o apoio do Estado na questão da moralização e finaceira, mas devido à pandemia da Covid-19 e a situação da crise económica tem dificultado as ajudas, “mas nunca fomos esquecidos e vamos continuar a lutar para que as portas estejam sempre abertas no governo a fim de darmos respostas grandes nos próximos projectos”.

O reverendo Daniel S. Silva acrescentou que ao apelar à união, não tem a ver com a dissidência 26=1, mas sim com os fiéis que congregam o representante mundial dos kimbanguistas de Nkamba Nova Jerusalém. Aquele dirigente refere ainda que a igreja Kimbanguista não está dividida e nem existem alas, porque ela é somente única e indivisível.

“Nós trabalhamos em prol de muita união entre os irmãos, mas os fiéis da igreja Kimbango do Golf 2 é que se desvincularam das normas de conduta, daquilo que socialmente tem a ver com os conselhos e decisões da religião e assim abriram a ala 26=1,  deixando a ala legal para criarem a sua dissidência. E isso nós não vamos permitir”.

O presidente do Colégio da IJCSK disse que o tempo que esteve em Nkamba, o líder mundial da igreja Simão Kimbango aconselhou para que a dissidência 26=1 deve abandonar todas as instalações em geral e o Estado angolano dar-lhes outra personalidade jurídica, porque estes são indivíduos considerados rebeldes e não primam pela reconciliação e o prazo que lhes foi dado pelo líder mundial a fim de unirem-se aos outros já terminou e, por esta razão, devem deixar de usar os símbolos da igreja de Simão Kimbango.

O reverendo considera que a ala 26=1  não são kimbanguistas, mas sim dissidentes que se rebelaram contra a direcção legal dos kimbanguistas.

Outrossim, Daniel Silva revela que Paul Kisolokela é identidade falsa, o seu verdadeiro nome é Diboiya Nguimbi Payé, nascido na RDC, na aldeia de Muiombe Tchela, filho do doutor Nguimbi. “O senhor Paul Kisolokela deve ser escorraçado, amarrado e levado à sua terra de origem e deixar os fiéis kimbanguistas viverem livres e à vontade na República de Angola”, realçou o reverendo.

Poderá também achar interessante