Início Sociedade Rui Falcão exige indemnização de dois milhões de dólares e MP pede condenação do jornalista

Rui Falcão exige indemnização de dois milhões de dólares e MP pede condenação do jornalista

por Redação

O antigo governador de Benguela, Rui Falcão, quer indemnização de cerca de dois milhões de dólares por crimes de injúria contra a autoridade e difamação.

O polémico caso do jornalista Francisco Rasgado, cujo julgamento se encontra na sua fase final, tomou contornos melindrosos. O Ministério Público (MP) pediu na quarta-feira (27), a condenação do referido jornalista no processo movido pelo antigo governador provincial de Benguela, Rui Falcão, mas a defesa solicitou a sua absolvição ao Tribunal da Comarca, alegando que os elementos patentes nos autos mostram irregularidades na adjudicação da brigada mecanizada de construção civil.

A acusação subscreve o pedido do órgão fiscal da legalidade e sugere uma indemnização de um bilião, 338 milhões e 754 mil kwanzas (cerca de 2.654.782 dólares), o equivalente ao valor das 11 máquinas adjudicadas à empresa CCJ, que também processa o fundador do jornal Chela Press.

O Tribunal da Comarca de Benguela dará a sentença a 3de Maio, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Já o sócio-gerente da CCJ, Carlos Cardoso, que também pede condenação, solicita uma indemnização de cinco milhões de kwanzas, valor que espera oferecer a cidadãos carentes.

No final de uma audiência que durou mais de 12 horas, os advogados do agora secretário para Informação e Propaganda do MPLA e da CCJ, Luciano Elias e Luís da Graça, não quiseram prestações declarações sobre o que acabavam de argumentar nas alegações finais.

A defesa do arguido, por intermédio do advogado Sérgio Raimundo, afirma que não existem razões para as penas solicitadas ao Tribunal da Comarca.

«Acreditamos que será feita justiça, será cumprido o que diz a lei. Na qualidade de jornalista, tem prerrogativas que o cidadão comum não teria, porque o dia em que começarmos a condenar jornalistas por denunciar factos lesivos ao erário que tem a ver com a mensagem do Presidente da República de denunciar ilícitos» será um descalabro, assegurou.

A audiência de terça-feira terminou com Francisco Rasgado a lamentar o que considera ser falta de empenho do MP na luta contra a corrupção, deixando claro que a apreensão dos meios, a dada altura de uma polémica vista por muitos jornalistas, é um elemento que dispensava julgamento. *(Com Voa)

Poderá também achar interessante