Início Sociedade Não aproveitamento de resíduos faz o país perder divisas e matéria-prima

Não aproveitamento de resíduos faz o país perder divisas e matéria-prima

por Redação

Uma empresa angolana de reciclagem de lixo eléctrico e electrónico alertou que o país «está a perder divisas, matéria-prima e até empregos» devido aos amontoados de lixo reciclável, que persistem nas ruas, sobretudo em Luanda.

Para António Bartolomeu, director-geral da empresa ‘Net Service Angola’, apesar de Angola começar a ter consciência de que os resíduos eléctricos e electrónicos são prejudiciais ao ambiente, ainda se perde muito quando esse tipo de lixo é deixado na rua.

«Isso preocupa muito, porque o que se perde a nível desses resíduos que ficam nos amontoados na rua, poderia ser o garante de algum lucro para as empresas», afirmou aquele responsável em Luanda.

Em declarações no final da cerimónia de lançamento da “Campanha de Sensibilização do Mês da Reciclagem”, o gestor defendeu a cultura da selecção daquele lixo específico para seu posterior tratamento em benefício do país.

«Os actuais amontoados de lixo que se verificam, sobretudo na capital angolana, poderiam ser evitados se a selecção desses resíduos partisse desde a fonte para a sua melhor reutilização», disse Bartolomeu.

«Se as pessoas fossem, desde a fonte, incentivadas a seleccionar o seu resíduo e contactar as empresas específicas para tratar esse tipo de resíduos, evitaríamos os amontoados que se verificam», notou.

«Não obstante, também penso que hoje, com a nova proposta para a gestão dos Mulenvos (Aterro Sanitário de Luanda), vai facilitar muito, porque muitos resíduos saem das casas das pessoas contaminados e não há essa separação e então para as empresas é muito difícil», apontou.

António Bartolomeu considerou também que «quando não se recicla esse produto (lixo eléctrico e electrónico), o país perde muita matéria-prima», numa altura em que o nível de importação «diminuiu muito por conta das poucas divisas que existem».

«E, portanto, com a matéria-prima produzida a nível local, se não houver essa indústria especializada para recuperar esse material, poderia ser exportado para garantirmos divisas para o país», concluiu.

Saliente-se que a “Campanha de Sensibilização do Mês da Reciclagem”, por ocasião do Dia Mundial da Reciclagem, que se assinala em 17 de Maio, decorre em Angola até Julho. A

campanha, denominada “Para onde vão os resíduos que todos nós produzimos”, é tutelada pela Agência Nacional de Resíduos (ANR) de Angola. *(Com agências)

Poderá também achar interessante