Início Sociedade Município de Belas: Bandidos infiltrados na ENDE criam pânico no Luquembo

Município de Belas: Bandidos infiltrados na ENDE criam pânico no Luquembo

por Redação

Os moradores de alguns quarteirões do bairro Luquembo, no distrito urbano de Cabolombo, município de Belas, província de Luanda, estão, há cerca de duas semanas a viver mometos de de pânico causados por elementos supostamente ao serviço da empresa de distribuição de eletricidade (ENDE).

Mwanza Mukondolo

Em pleno período do Estado de Calamidade por força da pandemia do Coronavírus que, desde o dia 8 do corrente mês, vários indivíduos, supostamente técnicos da ENDE, que se fazem transportar numa carrinha com o logotipo daquela empresa pública estão a fazer desmandos no bairro Luquembo e a criar pânico nos moradores.
Na passada quarta-feira, no período da manhã, os ditos técnicos chegaram e sem qualquer aviso, cortaram os cabos que alimentam de energia as casas de algumas ruas do bairro alegando, segundo os moradores que falaram ao “24 Horas”, que os cortes foram efetuados por falta de pagamento do consumo e foram-se embora.
No dia seguinte voltaram e, passando de casa em casa, cobraram a quantia de cinco mil kwanzas por residência para ligarem a corrente. Quem pagou teve a energia restabelecida; quem não pagou porque não tinha o valor ou porque não estava em casa continuou sem luz.
Na quinta-feira (16), os mesmos indivíduos voltaram e, desta feita, voltaram a cortar mais cabos que na semana anterior, penalizando mesmo pessoas que não têm dívidas. Quando alguns moradores procuraram saber a razão para o que estavam a fazer, de forma arrogante e intimidatória disseram que quem quisesse ter luz que pagasse cinco mil kwanzas. Ante tal acto de extorsão, a população protestou e gerou-se a desordem.
A Polícia apareceu e levou toda a gente para a esquadra local, onde os ditos técnics da Ende foram deixados partir em paz, deixando os cabos no chão para desalento e tristeza dos moradores.
O “24 Horas” soube que a administração do bairro praticamente não trabalha. Entretanto, uma fonte da ENDE que pediu anonimato, disse apenas que tais atos são práticas constantes de alguns indivíduos “infiltrados” na empresa.
Na verdade porém, num período em que as pessoas são aconselhadas a ficar em casa, sem eletricidade, não podem conservar bens alimentares tão necessários numa época como esta, as crianças que não têm aulas não podem seguir as aulas televisivas, as famílias têm que dormir muito cedo por causa da escuridão e, para acréscimo, os delinquentes estão a fazer das suas.
Estas atitudes contrariam as diretivas do Presidente da República e minam a consciência dos cidadãos quanto a intenção de voto nas autarquias. É preciso estancar com urgência a ação desses bandidos e devolver o sossego daqueles moradores do Luquembo.

Poderá também achar interessante