Início Política Partido político “NJANGO” a um passo da legalização pelo Tribunal Constitucional

Partido político “NJANGO” a um passo da legalização pelo Tribunal Constitucional

por Redação

O Partido Nacionalista Para Justiça Em Angola “NJANGO”, realizou uma conferência de imprensa para dar a conhecer à sociedade angolana e internacional, que entregou ao Tribunal Constitucional nove mil e quinhentas (9.500) assinaturas recolhidas nos 164 municípios das 18 província do país, A actividade aconteceu na passada quarta-feira (18), no município de Talatona em Luanda

Victor Kavinda

O presidente do partido NJANGO, Eduardo Jonatão Samuel “Dinho” Chingunji, acredita que até Janeiro próximo o partido será legalizado pelo Tribunal Constitucional, para a disputa nas eleições gerais de 2022.  “Estamos confiantes na legalização do partido porque o dossier ora entregue ao TC não apresenta quaisquer irregularidades”.

Dinho Chingunji aponta a falta de metodologia política por parte de alguns líderes políticos que viram os seus projectos chumbados pelo Tribunal Constitucional, por não terem capacidade metodológica política. “Muitos desses  projectos só não foram aprovados porque  faltou metodologia aos seus líderes, enquanto a nossa, a que usamos, é reconhecida internacionalmente e  muito diferente de muitos”, disse.

Eduardo Chingunji disse ainda que muitos angolanos têm a cultura de olhar para os partidos UNITA e MPLA como os únicos que têm a ideologia para governar Angola. “Esta é uma cultura que veio dos anos 60 e 70 até chegar ao período em que se fez a democracia no país e é uma cultura muito atrasada. Portanto, nós estamos a trazer aqui um instrumento de confiança para todos os angolanos, porque governar é um pacote e não é uma questão de foco isolado de trabalho”.

O político chamou de doença crónica, tanto dos dirigentes angolanos como sobretudo dos de África, que “quando são eleitos ou nomeados para um cargo público, esfregam as mãos de satisfacção e dizem: ‘agora é a minha vez’; isto é que  estraga muitos líderes africanos”, repudia

Questionado sobre a actual situação política do país, Eduardo Chingunji afirmou que os dois movimentos políticos que nos trouxeram a independência estão a passar por vários conflitos internos. “A instabilidade, o medo e a intimidação, é a coisa que eu vejo aqui e agora está na moda”.

Dinho Chingunji disse que a sua grande preocupação como político é que, quando não se insulta, não se ameaça, “você não entende política, não és político e muito menos patriota. Ora, isto para mim é o que mais me preocupa”, realça.

Por outro lado, Dinho Chingunji aclarou que o principal objectivo da sua formação política é o de ir atrás daqueles dois milhões de eleitores que não votaram no pleto passado. “Essa será a linha de força inicial dos nacionalistas”, concluiu.

Poderá também achar interessante