Início Política Melhor dirigente do ano 2020: Hélder Pitta Grós PGR

Melhor dirigente do ano 2020: Hélder Pitta Grós PGR

por Redação

O Procurador-Geral da República, Hélder Fernando Pitta Grós, tem sido uma figura calma que, no âmbito das responsabilidades que lhe são atribuidas, tem-se pautado pelo profissionalismo, pela ética e firmeza no desempenho das suas funções.
Assim sendo, e por não expressar qualquer ostentação e/ou abuso de poder, levando o combate contra a corrupção de modo eficaz e com recurso a todos os mecanismos de cooperação legal, sem grandes alaridos ou comprometimentos, o público apontou o Procurador-Geral Hélder Pitta Grós, como «dirigente do ano 2020».
Hélder Pitta Grós, tem defendido a implementação de um regime legal de recuperação de activos, em matéria de combate à corrupção, entendendo que as instituições intervenientes devem organizar-se de modo a melhor executar as tarefas, no âmbito do programa nacional de combate à corrupção.
O Procurador-Geral é de opinião que «é necessária a aplicação efectiva das leis de combate à corrupção, pois a impunidade é certamente uma das principais causas da corrupção».
Por este facto, Hélder Pitta Grós, tem pedido mais consciencialização dos crimes mais lesivos aos interesses do Estado, da sociedade e do desenvolvimento do país, e defende uma justiça mais actuante e incisiva no combate a estes crimes.
O magistrado reitera com frequência que uma das principais causas de corrupção é a impunidade. Para ele, o combate à corrupção «é uma tarefa espinhosa, mas não é maior do que a vontade de caminhar para a frente, crescer e prosperar».
Hélder Pitta Grós considera a corrupção «um cancro» que ultrapassa as fronteiras e atenta contra a defesa e segurança dos Estados. «Há casos em que, na execução do orçamento, o dinheiro para a construção de hospitais, escolas ou da casa do administrador foi disponibilizado, mas no terreno não existe nada. Se há pessoas que beneficiaram desse dinheiro, devem repô-lo, para que possam servir para aquilo a que foram caucionados ou direccionados», apela o alto magistrado do Ministério Público, acrescentando que «o combate à corrupção é um trabalho de todos, porque com o resultado final saímos todos a beneficiar».
Entretanto, Hélder Fernando Pitta Grós reconhece, por outro lado, que não será fácil e também não vai ser em um, dois ou três anos que se vai conseguir pôr fim à corrupção. «Mas se todos mudarmos as nossas práticas, podemos contribuir para que isso aconteça e para que, também, não voltem a acontecer situações do género».
Hélder Pitta Grós lembra que o bom gestor trabalha para que, em função do seu rendimento justo, tenha o suficiente: uma vida digna e dar educação aos filhos. Caso contrário, disse, haverá sempre a tentação de mexer onde não se deve, como é o caso do orçamento da instituição pública que dirige.
Hélder Pitta Grós garantiu empenho da Procuradoria-Geral da República no combate à corrupção e à impunidade. O magistrado reconhece que se deve combater todo o tipo de criminalidade, mas afirmou que o combate à corrupção e à impunidade é a prioridade. SP

Poderá também achar interessante