Início Mundo Novo golpe de estado: Líderes europeus condenam “rapto” de Presidente e primeiro-ministro do Mali

Novo golpe de estado: Líderes europeus condenam “rapto” de Presidente e primeiro-ministro do Mali

por Redação

    O Conselho Europeu condena «o que se passou no Mali nas últimas horas, o rapto do Presidente e do primeiro-ministro, e apoiamos a comunicação que foi feita pela CEDEAO e pela União Africana»   O Conselho Europeu condena «o rapto do Presidente e do primeiro-ministro» do Mali, por militares e apela ao regresso a uma transição política “civil”, advertindo que tomará as «medidas necessárias», disse terça-feira (25) o seu presidente, Charles Michel. Falando numa conferência de imprensa no final da primeira sessão de trabalhos da cimeira de líderes da UE iniciada na segunda-feira em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu, dando conta dos diversos assuntos, esta terça-feira, abordados pelos 27 em matéria de política externa, apontou que, «em paralelo», os líderes acompanharam os últimos desenvolvimentos no Mali, que classificou como “graves“. «Condenamos o que se passou no Mali nas últimas horas, o rapto do Presidente e do primeiro-ministro, e apoiamos a comunicação que foi feita pela CEDEAO e pela União Africana. Apelamos ao regresso à transição, que deve ser civil. O que se passou foi grave. Estamos também prontos a considerar medidas necessárias», declarou, já de madrugada. O Presidente do Mali, Bah Ndaw, e o primeiro-ministro, Moctar Ouané, foram detidos na segunda-feira (24) e transportados para um campo militar perto de Bamako, capital do país, por um grupo de soldados insatisfeitos com o novo governo. «O Presidente e o primeiro-ministro estão aqui em Kati para tratar de assuntos que lhes dizem respeito», disse um alto funcionário militar à France-Presse (AFP), que confirmou esta informação junto de outra fonte, sob condição de anonimato. O campo de Kati é considerado a maior instalação militar maliana e foi neste local que o antigo Presidente eleito, Ibrahim Boubacar Keïta, foi obrigado a renunciar ao cargo por um grupo de coronéis golpistas, em 18 de Agosto de 2020. Será este mesmo grupo que está a levar a cabo o aparente golpe de Estado, nove meses depois, de acordo com a AFP. As intenções do grupo ainda são desconhecidas. Em 2012, também o então primeiro-ministro, Modibo Diarra, foi detido por golpistas e forçado a renunciar. Esta alegada tentativa de golpe de Estado está a ocorrer poucas horas depois do anúncio do novo governo, ainda maioritariamente dominado por militares. O novo governo não inclui oficiais próximos da Junta Militar, dos quais Assimi Goïta era líder, que tinha conquistado o poder depois do golpe de 2020. Estes coronéis criaram os órgãos de transição algumas semanas depois do golpe, entre os quais um chefe de Estado — o militar aposentado Bah Ndaw — e um primeiro-ministro — o civil Moctar Ouané. Na sequência da pressão da comunidade internacional e da população, os militares concordaram em devolver o poder aos civis eleitos, num período de 18 meses, e não em três anos, como inicialmente previsto. Contudo, sob forte contestação política e social, Ouané renunciou ao cargo há dez dias, mas foi imediatamente reconduzido pelo Presidente transitório e indigitado para formar governo. A principal incógnita era saber quais seriam as pastas para os militares, em particular os próximos da antiga Junta Militar, aumentando nos últimos dias os receios de que os coronéis golpistas rejeitassem as escolhas do primeiro-ministro. Esta noite, a Associated Press (AP) dá conta de movimentações de militares em Bamako. O actual chefe do governo também confirmou à AFP que estava a ser detido. «Confirmo. Homens de [Assimi] Goïta vieram buscar-me para me levar até ao Presidente, que mora não muito longe da minha residência», disse Ouané através de uma curta chamada telefónica com a AFP, que acabou por ser interrompida. (Com agências

Poderá também achar interessante