Início Economia FMI disponibiliza mais 772 milhões de dólares imediatos para irem para as malas do dirigentes

FMI disponibiliza mais 772 milhões de dólares imediatos para irem para as malas do dirigentes

por Redação

Vera Daves, ministra das Finanças de Angola, garante que o Governo está a «trabalhar muito» para cumprir as metas do programa acordado com o FMI, e não descarta um novo programa no final do ano

A ministra das Finanças disse quarta-feira (09) que o país não deverá ir aos mercados este ano, deixando em aberto a possibilidade de acordo sobre um novo programa com o Fundo Monetário Internacional (FMI) no final do ano.
Em entrevista à agência de informação financeira Bloomberg, Vera Daves disse que o Governo «não tenciona emitir títulos de dívida em moeda estrangeira (‘Eurobonds’) este ano» e acrescentou que o Governo está a «trabalhar muito» para cumprir as metas do programa acordado com o FMI. Vera Daves disse também estar «altamente otimista» sobre a próxima avaliação ao programa de 4,5 mil milhões de dólares, cerca de 3,7 mil milhões de euros, que deverá ser divulgada em breve.
Questionada sobre se Angola está a considerar um novo programa no final deste, que termina em Dezembro, a ministra respondeu: «Estamos agora a discutir e a avaliar as várias opções que temos no final do programa, estamos a olhar para as vantagens e desvantagens de cada opção e a discuti-las com a missão, com a equipa do FMI e internamente no Governo».
«Depois desta análise e antes da última avaliação vamos tomar a nossa decisão», concluiu a governante. Em Abril, no relatório sobre as Perspetivas Económicas Mundiais, o FMI baixou o crescimento de Angola, de 3,2% para 0,4% este ano, e estimou um crescimento de 2,4% no próximo ano.
O programa de ajustamento financeiro foi acertado com o FMI em Dezembro de 2018, num valor de 3,7 mil milhões de dólares, que foi em Setembro aumentado para cerca de 4,5 mil milhões de dólares (de 3 mil milhões de euros para 3,7 mil milhões de euros), dos quais cerca de 3 mil milhões de dólares (2,5 mil milhões de euros) já foram entregues, e dura até final do ano.
Enquanto isso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou a quinta revisão ao programa de ajustamento financeiro de Angola, permitindo o desembolso imediato de 772 milhões de dólares, salientando a visão positiva das autoridades e o empenho nas políticas do programa.
«A decisão do conselho de administração do FMI permite um desembolso imediato de 772 milhões de dólares (633 milhões de euros) a Angola», lê-se no comunicado colocado no site do Fundo, no qual se aponta que a economia angolana «está em transição para uma recuperação gradual de múltiplos choques, incluindo aqueles induzidos pela pandemia».
No comunicado, o FMI acrescenta que «a visão política das autoridades continua sã, e continuam empenhados no programa económico apoiado pelo Programa de Financiamento Ampliado».
É pena que o dinheiro que vem para Angola, assim como o que é produzido no país pela exploração desmedida das suas riquezas, não beneficiem realmente o povo angolano, apenas meia dúzia de larápios das eleites do poder! *(Com agências)

Poderá também achar interessante